Ouro ou Bitcoin?

Para Michael Saylor, o ouro é muito lento para o século XXI e o Bitcoin pode ser a sua "evolução programável".

De fato, a principal falha do ouro é a dificuldade de transportar para grandes distâncias sem um custo muito grande ou simplesmente recorrendo a intermediários de confiança para a criação de um dinheiro eletrônico lastreado em ouro.

O grande problema e a confiança

O problema é que esse tipo de lastro depende da confiança em alguma entidade, que se não for idônea, pode acabar com outras boas características do ativo, como a escassez.

Inclusive, estima-se que existe cerca de 100 vezes mais ouro digital do que físico, exatamente por esse motivo. Essa falta de transportabilidade tornou o ouro vulnerável à inflação, justamente o problema que se buscava resolver com uma reserva de valor.

O ouro digital

Portanto, todas essas características fazem com que o Bitcoin seja possivelmente consolidado como ouro digital, uma melhoria da antiga reserva de valor que possuíamos como sociedade. Em entrevista para o Nomad Capitalist, o CEO da MicroStrategy também comenta sobre a liberdade que o Bitcoin proporciona:


“Qual o melhor ativo que eu posso comprar? Energia monetária pura, não há CEO, não companhia, não há Iphone 11 para não gostar. E a propósito, se a Califórnia mudar seus tributos, então mude para Wyoming, se ele mudar as taxas então mude para Flórida, quando eles mudarem vá para Porto Rico, se você não gostar vá para Cingapura…. A propósito, se eu tivesse meu ouro em Nova Iorque seria um pouco difícil movê-lo para Cingapura, mas se eu tiver meu bitcoin em Nova Iorque eu posso movê-lo em 30 minutos por 5 dólares.“